terça-feira, 31 de dezembro de 2013

E que 2014 seja de renovação




Hoje é o último dia de 2013. Faltam poucas horas para o fim deste ano.

Espero que 2014 seja um ano melhor que este que termina, ano de muitas provações e de muito aprendizado, não só para mim, mas para várias pessoas.

Espero sinceramente que 2014 seja um ano de renovação, de mudanças concretas no nosso modo de vida e que tenhamos não felicidade diária, pois é impossível, mas que ela seja pelo menos constante em nossas vidas.

Que venha 2014 e que possamos transformá-lo no melhor ano de nossas vidas, no melhor ano de minha vida.

Adeus 2013, e abaixo deixo o registro do último por do sol aqui na minha cidade, Cachoeirinha/RS.


Foto: André Guterres

sábado, 2 de novembro de 2013

Comentários sobre o filme Thor: O Mundo Sombrio



Se você não assistiu o filme, o texto possui spoilers.



Assisti Thor e o Mundo Sombrio (Thor: The Dark World) nos cinemas e sai contente com o filme.

Me arrisco a dizer que esse filme é melhor que o primeiro, pois nessa sequência você mergulha no universo das histórias de Thor, pois a maioria das cenas se passam em Asgard (a cidade dourada, lar dos deuses, cidade luz), em Vanaheim (mundo dos Vanir), Svartalfheim (O mundo dos Elfos Negros) e é claro em Midgard (Terra). Apesar de Jotunheim também aparecer de relance.

O filme mostra o ressurgimento dos Elfos Negros, liderados por Malekith que foi derrotado por Borr, pai de Odin há milênios e que quer levar a escuridão a todos os nove reinos, e para isso tem uma arma indestrutível, o Ether.

As cenas mostrando todo o esplendor de Asgard, a tecnologia médica e de defesa da cidade é algo a se prestar atenção no filme, pois há bastante tempo foi mostrado uma história aonde os Asgardianos eram considerados alienígenas com tecnologia avançada e grande longevidade, sendo considerados deuses pelos mortais humanos.

Malekith é o líder dos elfos negros

Odin (Anthony Hopkins) inclusive afirma isso a Loki no filme. O que acaba sendo meio que decepcionante.

Loki enfim triunfa

Mas Loki não aceita tal fato e quer um trono para reinar como um deus soberano.

Aliás, o Loki (Tom Hiddleston) é um dos grandes destaques do filme, pois até tirar uma onda com o Capitão América ele tira. Loki abriu uma brecha para um arco de histórias excelentes do Thor ao final do filme.

O vilão Malekith vivido por Christopher Eccleston está de parabéns.

Odin, pai de todos.


Thor (Chris Hemsworth) bate muito, o Mjolmir é usado a quase todo o momento.

A Natalie Portmann apesar de estar ligada ao Ether nesse filme, só tem uma cena decente que é quando esbofeteia o Loki. "Essa é por Nova York!" Brada a mocinha.

Dou nota 7,5 ao filme, pois acho que Odin poderia ter usado o Destruidor para defender Asgard do ataque de Malakith e mesmo depois nos combates seguintes.

Nos créditos, temos Sif e Volstagg entregando o Ether, lacrado em uma urna ao Colecionador! E daí se vê que o Ether é na verdade uma das Jóias do Infinito, assim como o Tesseract (Cubo Cósmico).

Bela introdução para os Guardiões da Galáxia que irão confrontar o Colecionador em breve nos cinemas.

Fotos: Imagens promocionais da Marvel

domingo, 27 de outubro de 2013

Sem entender a dor de alguém...



" Sem entender a dor de alguém, não se pode entender aquilo que ele é..."

AG


Vicent van Gogh e o Doutor





Uma das coisas mais interessantes do seriado britânico Doctor Who é o fato do Doutor viajar pelo Tempo e pelo Espaço usando a TARDIS.

E nisso, fatalmente ele viaja a períodos históricos da humanidade e conhece grandes personagens de nosso passado.


E para mim, um dos melhores episódios é o décimo episódio da quinta temporada (Matt Smith de Doutor), pois o último dos Senhores do Tempo se encontra com Vicent van Gogh.

Segue abaixo a fala mais sensacional deste episódio:


... Sem dúvidas, o mais popular e melhor pintor de todos os tempos.
     O mais adorado. Seu domínio sobre as cores é maravilhoso.
     Ele transformou a dor e o tormento da sua vida em beleza extasiante.
     Dor é fácil de se retratar, mas usar sua paixão e dor...
... para retratar o êxtase, a alegria e o esplendor de nosso mundo, algo que ninguém tinha feito.
      Talvez ninguém nunca mais faça.
    Para mim, aquele estranho e selvagem homem que perambulou pelos campos de Provença não foi somente o maior artista do mundo...
... mas também um dos maiores homens que já viveu.
    
    
Vicente van Gogh em Doctor Who



Fotos: reprodução


domingo, 13 de outubro de 2013

O mundo não precisa de amor






Após anos, cheguei a conclusão de que o mundo não precisa de amor.

Amor é algo tremendamente caro, difícil de se cultivar em mais de uma parte e muito instável.

O mundo preciso de algo tão poderoso quanto o amor, mas bem mais fácil de ser obtido.

O mundo precisa de respeito. Sim, de mais respeito.

Só assim iremos cuidar das feridas profundas que castigam a humanidade.

Respeito por aqueles que são diferentes, respeito para aqueles que pensam diferente.

Quando pudermos respeitar as escolhas dos outros, quando pudermos respeitar nossos pais, filhos, irmãos, esposas, maridos e os desconhecidos, talvez possamos distribuir amor.

Se tivermos respeito pelos outros, pela sociedade, pelas instituições e principalmente para a nossa família, com certeza iremos começar a ter um mundo muito melhor de se viver.


domingo, 8 de setembro de 2013

A conversa entre Buda e Shaka de Virgem


Durante a luta contra Saga de Gêmeos, Shura de Capricórnio e Kamus de Aquário no santuário da Grécia,  Shaka de Virgem tem a recordação de uma conversa que teve com o deus Buda quando criança em seu treinamento na Índia.


Buda: Shaka! Shaka! por que está tão triste? Você tem apenas seis anos e apesar disto vc se senta aí todos os dias para se lamentar. O que é que lhe preocupa? 



Shaka: Hoje eu vi muitos corpos mortos flutuando no Rio Ganges,e na beira do rio eu vi peregrinos vindos da Índia inteira para tomar banho. Eu tive a impressão de que celebravam a morte no lugar da vida. Por quê? Por quê é tão pobre este país aonde eu nasci? Parece que só nascemos para sofrermos e nos lamentar. As pessoas vivem no meio de desgraças.



Buda: Shaka, isto te deixa triste?




Shaka: É claro! quem é que quer uma vida cheia de tristezas?




Buda: Você está enganado. Onde há tristeza há alegria, e o contrário também é verdade. Lindas flores nascem, mas eventualmente morrem. Tudo neste mundo está em eterna mudança. Sempre em movimento. Nunca é igual. Tudo muda. E a vida do homem também é assim.



Shaka: Mas se o nosso fim, a morte é inevitável então talvez seja a tristeza que domine as nossas vidas. Mesmo quando superamos o sofrimento, mesmo que busquemos o amor e a felicidade no fim a morte irá transformar tudo em nada. Eu não entendo, pra que os homens nascem neste mundo? Se é impossível algo tão completo e eterno como a morte.


Buda: Shaka, parece que você se esqueceu.



Shaka: Esqueci? 

Buda: A morte não é o fim de tudo. A morte não é mais do que outra transformação.


terça-feira, 9 de julho de 2013

Olhando o Tempo se esvair num mar de oportunidades perdidas




Olhando o Tempo se esvair num mar de oportunidades perdidas


Já perdi diversas oportunidades na vida. A grande maioria delas foi por acreditar em algo ou alguém. Algumas poucas por não ter tido coragem de acreditar, ousar o impossível.

Me lembro de uma época aonde não existia medo. A confiança e a sagacidade percorriam cada célula do meu ser. 

Não pensava em ter dúvidas, em me negar o que considerava ser meu por direito.

Mas no decorrer dos anos, o Tempo pode ser um professor com lições terríveis.

Tremendamente frio em suas ações, sem carinho, sem luz.

É ainda mais difícil quando você é capaz de fazer tudo por alguém que não percebe que você existe.



É ainda mais difícil quando você é o único que vê em sua plenitude, tudo o que a pessoa que você gosta poderia ser, mas ela não entende o quanto você se importa e estaria disposto a se sacrificar por ela.

É difícil demonstrar sentimentos quando você tem de ser uma rocha para o mundo. Mesmo você se importando muito. Mesmo você amando muito.

"O Tempo se esvai nas diversas linhas temporais. Outrora vivo e brilhante, mas hoje na escuridão. Tudo morre..."

quarta-feira, 1 de maio de 2013

O 3º filme do Homem de Ferro segue a linha fracassada de Homem Aranha 3




Quero deixar duas coisas claras antes de tecer meus comentários. A primeira é que como leitor antigo de HQs (histórias em quadrinhos) tenho algum conhecimento do universo Marvel (Homem-Aranha, Capitão América, X-Men) e do universo DC (Batman, Superman, Lanterna Verde). A segunda é que sei que quando se faz uma adaptação para o cinema, certas liberdades tem de ser feitas e se faz necessário alterações na história ou origem dos personagens. Basta ver Homem de Ferro 1 e 2 e Capitão América como ótimas adaptações das HQs.

Bom, vamos falar do horrível filme do Homem Ferro 3. Para quem entende um pouquinho da Marvel, sabe que mataram a origem de um dos maiores inimigo do Vingador Blindado, o Mandarin. Mandarin foi criado em 1964 e ele é simplesmente o cara que mais odeia o Tony Stark em todo o universo Marvel.

Mandarin das HQs combatendo o Homem de Ferro

Na wikipédia tem um resuminho de quem é o Mandarin. O cara simplesmente domina a China e tem tecnologia alienígena a disposição dele, oriunda de seus dez anéis, aonde cada um deles possui um tipo diferente de poder.

O Mandarin travou diversos combates contra o Homem de Ferro no passar dos anos, sem falar que ele fez parte dos Mestres do Terror (grupo de supervilões que combate os Vingadores) e já combateu o Hulk e os X-Men.

Mandarin é dos maiores supervilões das HQs da Marvel

E daí o Mandarin no filme do Homem de Ferro 3 vira um ator? Um personagem manipulado pelo fracassado do Adrian Killian? Um viciado em drogas fazendo o papel de um Bin Laden que nem chinês é.

Resumindo: a Marvel/Paramount mataram a origem de um grande vilão.

Em relação ao combate das armaduras? Decepção total com uma cena durante a noite, aonde mal se via os detalhes das armaduras, que era o que todo mundo queria ver. Aliás, armaduras e combate com o uso delas pouco se viu.

Cada anel do Mandarin tem um poder específico e várias vezes o HF sofreu para vencer

O Máquina de Guerra transformado em Patriota de Ferro poderia ter sido chamado de Pacifista de Ferro, pois NÃO deu um único tiro no filme inteiro.

Mandarin no excelente jogo do Marvel Ultimate Alliance

E o Tony Stark pirado, com síndrome do pânico é algo que foi totalmente desnecessário, tanto quanto o lado James Bond que quiseram dar a ele.


Em relação ao uso da fase Extremis no filme não vou comentar, porque o desfecho nas HQs foi muito melhor que a Pepper matando o Killian. Aliás, a saga Extremis em si daria um ótimo filme.

   Na Saga Extremis, a armadura de Tony sai por diversos orifícios que percorrem seu corpo

Saga Extremis em que o Tony fez alterações em sua armadura, fazendo com que ela saisse de orificios espalhados por seu corpo e com a injeção do vírus Extremis que recebeu, acabou se tornando o verdadeiro Homem de Ferro.

Se em perguntassem o resumo do filme do Homem de Ferro em apenas uma frase ao sair do cinema, eu diria: Joguei o meu dinheiro fora.

terça-feira, 16 de abril de 2013

O oceano das ilusões






Vivemos mergulhados em um oceano de ilusões. 

Ilusões que são mais fáceis de suportar que a realidade que nos cerca. Mas fáceis de se desfazer como um castelo de areia.

A verdade é sempre impactante, fria, insensível e destruidora.

Por isso que tantos se atiram de cabeça na primeira oportunidade que tem de viver uma ilusão que lhes façam esquecer a realidade em que vivem.

É fácil entender aqueles que sacrificam sua dignidade para viver algo ilusório. Sabem que não poderiam ter determinada coisa/pessoa em uma existência verdadeira. Sabem que não poderiam ter este "privilégio"  em sua vida conturbada e cheia de limitações.

Parafraseando a cena de um anime: "O amor é a ganância dos submissos". Talvez isso não esteja tão longe da nossa realidade. 

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

E que venha 2013!





Hoje é o último dia de 2012.

Poderia fazer um longo texto de coisas boas e ruins que aconteceram nesse ano.

Dos erros cometidos e das coisas boas que aprendi.

Da lembrança dos amores passados, das paixões que senti nesse ano e das ilusões que sofri.

Mas prefiro deixar isso de lado e pensar que em 2013 podemos fazer a diferença.

Podemos nos mexer e fazer algo novo, algo diferente que torne nossa vida mais alegre, bonita e emocionante.

Quero ser em 2013 uma pessoa melhor do que sou atualmente.

Quero ser em 2013 uma pessoa que pode mudar conceitos.

Quero ser em 2013 uma pessoa que aceitará desafios de conhecer novos lugares.

Quero ser em 2013 uma pessoa que vai viver a vida intensamente.

Quero ser em 2013 uma pessoa que seja importante na vida de alguém.

Enfim, em 2013 eu tenho muitos sonhos e desejos a realizar.

Viva mais, seja feliz. 

Feliz 2013!!!

Um abraço aos meus amigos.

André Guterres